sábado, outubro 05, 2013

Superman e o judaísmo.



Um herói como nunca havia existido antes.

Nos anos de 1930, havia muitos heróis para a molecada. Quem nunca ouviu falar em Zorro (1919), Buck Rogers (1928), John Carter (1912), Tarzan (1912), Flash Gordon (1934) e o Fantasma (1936). Todos esses heróis fascinavam os meninos (e alguns adultos) com histórias fantásticas , realizando feitos heroicos com coragem e bravura.  Eram homens de moral ilibada e personalidade humilde e altruísta. A maioria se escondia por traz de uma identidade secreta, nunca levando créditos ou vantagens financeiras por seus feitos (Se bem que sempre acabavam dando dando uns beijos na mocinha).
Famosos heróis de ação antes dos super-heróis.
Mas tudo isso mudou em junho de 1938. Nas bancas de revistas nos Estados Unidos, um novo conceito de herói surgia. Ele era mais rápido que uma bala, mais forte que uma locomotiva e era capaz de saltar os mais altos prédios. Surgia nas páginas da revista “Action Comics #1” o primeiro super herói da história moderna. O Superman (Que no Brasil recebeu o nome de Super-Homem).  Para se ter uma ideia, os pouquíssimos exemplares que ainda existem da Action Comics No 1 são as revistas em quadrinhos mais caras do mundo. Em 2011 um exemplar que pertencia ao ator Nicholas Cage foi vendido por US$ 2,1 milhões.
Capa da primeira edição da Action Comics
Mostrando um novo estilo de herói com
 poderes sobre humanos.

Igual aos seus antecessores, o Superman tinha um ótimo caráter. Defendia os fracos e os oprimidos. Possuía uma envergadura moral inquestionável. Mas o Superman era capaz de fazer o que nenhum homem comum podia fazer. Já na capa da primeira edição da Action Comics, podemos ver o Superman segurando um automóvel acima da cabeça somente com sua própria força. Isso era inacreditável, incrível, fantástico! O conceito de um herói com habilidades muito acima das capacidades humanas era tão revolucionário para a época, que os seus criadores imaginaram que ele não era desse planeta, pois não se passava na cabeça das pessoas nenhuma forma de uma pessoa normal adquirir poderes, aliás, a partir do Superman, surge novos termos: Superpoder e super-herói. E dá-se início a Era de Ouro dos Quadrinhos.

 O primeiro super-herói da história gerou muito dinheiro! O Superman virou um sucesso absoluto. Logo saiu das páginas dos quadrinhos para as ondas de rádio. Depois semanalmente no cinema.  E até hoje seu sucesso perdura. Seu símbolo em forma de S no peito é uma das marcas mais conhecidas do mundo, rivalizando com os logotipos da Coca-Cola e McDonald’s assim como símbolos religiosos como a cruz cristã.

Leia também



A origem judaica.

Jerry Siegel e Joe Shuster
O Superman foi criado por dois jovens judeus nos Estados Unidos, filhos de judeus imigrantes e amigos de escola na cidade de Cleveland no estado de Ohio. Jerry Siegel nasceu e cresceu em Cleveland, já Joe Shuster nasceu em Toronto – Canadá e mudou se com a família para Cleveland com ainda tinha seus 9 anos.
Jerry Siegel cresceu em uma vizinhança predominantemente judaica com dezenas de sinagogas ortodoxas. Segundo suas memórias, um dos motivos que o levaram a criar o Superman estava exatamente no antissemitismo que ele e todos em sua vizinhança sofriam. E por viver em um ambiente judaico que é rico em histórias e contos, a figura heroica e poderosa de Shimshon (Sansão) se tornou a base da criação do personagem.


Shimshon (Sansão) foi uma das inspirações 
bíblicas na criação do Superman.


Superman e as conexões com a Torah.

Na imensidão do espaço, havia um o longínquo planeta Kripton, esse planeta estava preste a explodir. O cientista Jor-El e sua esposa Lara não tinham outra escolha. Para salvar seu único bebê chamado Kal-El, tiveram que enviá-lo para o espaço em uma pequena nave. E essa nave veio parar aqui na Terra na pequena
O bebê Kal-El foi enviado para o
espaço por seus pais minutos antes
 do planeta Kripton explorir.
cidade rural de Smalville. O bebê Kal-El foi adotado pelo casal de fazendeiros Jonathan e Martha Kent que o nomearam Clark Kent. Ao crescer, foi para a cidade de Metropole trabalhar como jornalista no jornal Planeta Diário. Nessa profissão, Clark Kent, poderia estar sempre ausente da redação do jornal e assim, poderia atuar como o Superman sem ter que dar muitas explicações.

Podemos encontar ecos bíblicos na origem do Superman em Moshé (Moisés), que foi colocado em uma cesta caso contrário iria morrer devido ao decreto do Faraó. Ambos os bebês foram criados em uma cultura estrangeira. Moshé foi criado pela filha do Faraó e Moisés por fazendeiros terráqueos.
O nome kriptoniano do Superman, Kal-El em hebraico (קל-אל) literalmente significa “Voz de Deus”. Assim como o nome de seu pai Jor-El (Yor-El) é um nome hebraico comum. Suas variações são: Jorell, Jarel, Jerel, Jorrel, Joel, Joren, Jorey e Sorel. O sufixo – El é uma das primeiras palavras em hebraico para se referir a Deus. Vemos esse sufixo em muitos nomes de origem hebraico que aparecem na bíblia como: Daniel, Samuel, Gabriel, etc.

É muito fácil também fazer um paralelo entre o Superman e os melachim (anjos). O Superman fica sobrevoando a cidade a protegendo.

Outra semelhança bíblica está no fato de que assim como Shimshon (Sansão), o Superman também tem um ponto fraco. Shimshon por ser um nazireu, não podia cortar os cabelos, o Superman é torna-se fraco com a kriptonita.

Outra influência judaica é a questão da identidade secreta. Nos Estados Unidos, eram muito comuns os imigrantes - não só judeus - que mudavam seus nomes e sobrenomes para não sofrerem preconceitos. Alguns exemplos: Nomes como Neumann e Weiss foram mudados para as formas inglesas Newman e White.  Logo, Kal-El usava o nome de Clark Kent para poder trabalhar no Planeta Diário.

Superman precisa usar roupas e adotar um nome terráqueo
para esconder sua verdadeira identidade.
O mesmo ocorria na forma de se vestir. Para poder entrar no mercado de trabalho nas grandes metrópoles, judeus usavam roupas mais americanizadas. E somente em seus meios é que se vestiam como judeus. Já o Superman usava roupas comuns quando ia trabalhar no jornal. Mas quando tem que salvar o mundo, Superman / Kal-El usa seu traje azul e capa vermelha kriptoniana.

Há alguns afirmem que o seu famoso símbolo com a letra S seria na verdade a letra ש (Shin)  mas não há evidencias que confirmem que esse paralelo exista. O mais provável mesmo é que o S foi usado no símbolo do Superman pelo fato de que seu nome comece com a letra S. Faz parte da cultura americana usar uniformes com a primeira letra inicial da instituição,  vemos esse padrão por exemplo, em uniformes de agremiações esportivas de escolas e universidades.

Por fim, os próprios valores bíblicos são defendidos pelo Superman.  Um homem honesto, valoroso, humilde, trabalhador e mesmo com muitos poderes, usa seu livre-arbítrio para fazer boas e sábias escolhas.

Por fim, os super-heróis foram mais uma das grandes contribuições dos judeus a humanidade. Com o sucesso desses novos personagens, uma mitologia foi criada e por todo o mundo, crianças recebem através de desenhos animados, suas primeiras lições de moral. Quem nunca viu um desenho onde o herói diz a célebre frase: “O crime não compensa”.

Leia também


10 comentários:

  1. Muito bom cara!

    Acredito que também a Historia de Kal-El pode ser comparado a de um bnei anussim que teve que deixar sua terra natal e vive na galut, tendo que trocar de nome!

    ResponderExcluir
  2. A roupa foi inspirada nos homens fortes do circo

    E a capa foi inspirada no tallit

    ResponderExcluir
  3. Achei que o "S" poderia ser um Lamed estreitado... o significado tbm funciona.

    ResponderExcluir
  4. Nossa! Muito obrigado por compartilhar seu conhecimento!

    ResponderExcluir
  5. Eu pensava que era uma representação maligna, querendo tomar o lugar do Salvador da humanidade

    ResponderExcluir
  6. Eu pensava que era uma representação maligna, querendo tomar o lugar do Salvador da humanidade

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir